Antes caso de sucesso, Netshoes perde valor – PressReader.com

Por: PressReader.com

Varejista carrega estrutura pesada de custos e vendas não reagem.

A varejista on-line Netshoes precisa fazer mudanças estruturais urgentes, ou até mesmo fechar o capital, para conseguir se recuperar e encontrar o caminho do lucro. A avaliação não é de analistas e consultores ouvidos pelo Valor. Para eles, a companhia, que por anos a fio foi apontada como um caso de sucesso, acabou transformando-se em um conjunto de problemas.

Desde que abriu o capital na bolsa de Nova York, em abril do ano passado, a Netshoes carrega uma estrutura pesada, com altos gastos de marketing; e uma operação pequena de “marketplace” (shopping virtual, em que são vendidos produtos de terceiros). O portfólio, antes focado em calçados, vestuário e artigos esportivos, abriu-se para produtos fora desse universo, mas as vendas não reagiram. Há dificuldades para avançar no Brasil, cuja economia cresce pouco e devagar. E na América Latina a empresa também não está conseguindo aumentar as vendas.

“Foi um erro a Netshoes ter aberto capital nos Estados Unidos. Poderia ter captado recursos de investidores estrangeiros no Brasil”, disse Dоuglas Carvalho, sócio da Target Advisor, consultoria especializada em varejo.

Carvalho observou que investidores que operam na bolsa brasileira são em número menor, mas se dispõem a esperar mais tempo até o preço da ação reagir porque compensam essa queda com operações de baixo risco (como investimento em títulos do Tesouro, ou CDB). Nos EUA há mais investidores dispostos a investir em empresas de tecnologia. Mas eles também se desfazem rapidamente das ações, se os preços caem. “Seria melhor a Netshoes fechar o capital, como fez a Dell. E depois que arrumar a casa abre o capital de novo”, avaliou o consultor.

Quando fez a abertura de capital, em 12 de abril de 2017, os sócios da Netshoes captaram US$ 138,85 milhões, com a venda de 8,25 milhões de ações na bolsa de Nova York. A Netshoes tem como principais sócios Marcio Kumruian, cofundador da empresa e presidente executivo, Tiger Global Investors, GIC Privated, Temasek Holdings, e Riverwood Capital Partners — os mesmos que participaram da oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês).

Desde que abriu o capital até sexta-feira, a ação da Netshoes perdeu 85,8% do seu valor, saindo de US$ 16,10 no fim do pregão de 12 de abril de 2017 para US$ 2,29. O valor de mercado da companhia, baseado no preço das ações, passou de US$ 500 milhões para US$ 71 milhões — um valor que permitiria a recompra de ações pelos principais sócios da empresa. “O negócio está muito barato. Seria a melhor saída agora”, disse Carvalho.

Procurada pelo Valor ,a Netshoes preferiu não se pronunciar. Em abril do ano passado, quando abriu o capital da companhia, Kumruian disse que havia escolhido a bolsa de Nova York (Nyse) devido ao potencial de maior liquidez para as ações. “Hoje, poucas empresas fazem um trabalho semelhante ao nosso, com comércio eletrônico de moda, artigos esportivos e produtos de beleza. Mas os poucos que fazem o mesmo trabalho estão na Nyse, o que favorece a avaliação do valor de mercado da Netshoes”, afirmou Kumruian no primeiro dia de pregão.

A empresa não tem conseguido entregar os resultados propostos aos investidores na abertura de capital.

No dia da estreia na bolsa de Nova York, Kumruian também disse que a captação de recursos com a oferta pública inicial de ações serviria para acelerar planos de investimentos da companhia. No foco estavam a expansão dos negócios da Zattini, que representava 10,2% da receita total da companhia, e a ampliação das operações na Argentina e no México, que representavam 10,6% da receita do grupo. “A meta não é replicar na Argentina e no México o mesmo nível de desenvolvimento que as operações da companhia possuem atualmente no Brasil”, afirmou Kumruian na não época.

No primeiro trimestre deste ano, a receita da Netshoes no México e na Argentina caiu 4,4%, para R$ 40,7 milhões. A empresa não divulgou dados de vendas da Zattini. As vendas brutas totais no Brasil tiveram incremento de 1,4%, para R$ 360,4 milhões.

Em relatório divulgado em maio, o analista Andre Baggio, do JP Morgan, alertou para a queima de caixa contínua da companhia, sem aumentos relevantes da receita. “Desde o seu IPO, [a Netshoes] tem decepcionado em várias frentes, levando ao declínio do crescimento da linha superior, e pondo em risco o caminho para lucratividade”, escreveu em relatório.

No primeiro trimestre deste ano, a Netshoes reduziu a sua posição de caixa em 85%, saindo de R$ 396 milhões em dezembro de 2017 para R$ 60,7 milhões no fim de março. No balanço, a companhia informou que, nos trimestres anteriores, antecipava com bancos recebíveis de cartões de crédito, o que aumentava a geração de caixa, mas também gerava maior despe- sa financeira. A companhia decidiu abolir essa prática, tendo efeito negativo no caixa.

As vendas, nos primeiros meses deste ano, não reagiram, mostrando tendência oposta à esperada pelo mercado. Analistas aguardavam uma aceleração dos negócios, em função da proximidade da Copa do Mundo. Este evento costuma estimular as vendas de camisas de seleções e outros produtos legados a futebol.

Kumruian disse, então, que o desempenho da empresa até março refletia, em parte, o ambiente de consumo no Brasil, que não acompanhava o ritmo lento de melhoria do clima macroeconômico. Mas uma fonte do mercado de comércio eletrônico observa que o setor cresceu mais de 10% no primeiro semestre. “A Netshoes teve desempenho abaixo do mercado”, disse a fonte.

Um analista de mercado que acompanha a empresa observa que a Netshoes precisa cortar custos com urgência, para melhorar seu resultado financeiro. Ele ponderou que a empresa opera com uma estrutura cara, o que dificulta a melhora da rentabilidade. “Deter estrutura de tecnologia própria, em vez de contratar uma empresa especializada em plataformas de comércio eletrônico, encarece a operação”, diz o analista.

Outro problema não é o custo de marketing, mais alto do que de outros sites como Mercado Livre e Magazine Luiza. Essas empresas têm um número tão alto de produtos e a audiência não é tão grande que elas aparecem no topo de pesquisas do Googlo, sem precisarem pagar por isso. “A Netshoes, por sua vez, depende de marketing pago para atrair tráfego”, comparou o analista.

A companhia também mantém uma operação pequena de marketplace, equivalente a 10% de suas vendas brutas. Outras empresas de comércio eletrônico como B2W, Mercado Livre e Magazine Luiza, ampliaram suas operações de marketplace, devido ao ritmo acelerado de crescimento desse segmento.

No fim do ano passado a empresa teve que lidar com outra má notícia: um vazamento de dados de quase 2 milhões de contas cadastradas na sua página na internet. O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MP) recomendou, em janeiro, que a empresa entrasse em contato por telefone com todos os clientes afetados pelo incidente — o que a Netshoes informou que faria até abril.

A companhia também carrega estoques altos de suplementos alimentares e precisa se livrar deles, segundo fontes a par do assunto. Desde 2016, a companhia detém licença exclusiva para vender e distribuir suplementos nutricionais e vitaminas da Midway Labs USA no Brasil. Em 2017, a Netshoes decidiu reduzir a escala da operação para focar na melhoria do modelo econômico. As vendas eram destinadas a outras empresas, como drogarias e supermercados. Mas parte dos clientes atrasou o pagamento.

Na negociação com esses clientes, a Netshoes estendeu prazos de pagamento e aceitou a devolução de produtos, aumentando seus estoques. No fim de 2017, a empresa tinha R$ 117,7 milhões em suplementos nos estoques. No balanço de 2017, a companhia informou que não sabia se conseguiria vender todo o estoque antes do vencimento dos produtos.

Todos esses fatores contribuíram, de tempos em tempos, para causar fortes quedas nas ações da companhia. A mais recente foi em 15 de maio, após a divulgação do balanço do primeiro trimestre. As ações da Netshoes chegaram a cair 43,7% no dia.

Na semana passada, o escritório de advocacia americano Bragar Eagel & Squire anunciou que abriria uma investigação sobre a empresa, para apurar se ela violou regras do mercado de capitais, ou se adotou medidas ilegais. O escritório busca acionistas da Netshoes interessados em abrir uma investigação sobre a empresa.

Os escritórios RM Law e Kaplan Fox & Kilsheimer também anunciaram, em junho, interesse em abrir investigações semelhantes. Em novembro de 2017, o Holzer & Holzer divulgou que buscava acionistas interessados em abrir uma investigação, logo após a divulgação dos resultados do terceiro trimestre, com consequente queda no preço das ações.

Uma fonte com conhecimento na área jurídica disse que nenhuma investigação foi aberta ainda contra a Netshoes. “O fato de já ter passado algumas semanas desde que as ações tiveram a queda mais forte pode dar a entender que não houve interesse dos acionistas em mover uma ação. Mas isso pode mudar a qualquer momento”, disse a fonte.

Empresa foi avaliada em US$ 500 milhões quando chegou à Nyse em abril de 2017 — na sexta-feira valia US$ 71 milhões

Fale com a Target

Nome

Empresa

Email

Telefone

Mensagem



Target Advisor

Fusões & Aquisições e Finanças Corporativas

(11) 3031-5777
contato@targetadvisor.com.br
Av. Brigadeiro Faria Lima, 2229
conjunto 92 – São Paulo
adm-master

Autor

adm-master